quinta-feira, 18 de agosto de 2011

VOCÊ É ASSERTIVO?

O QUE É ASSERTIVIDADE?

A assertividade é uma habilidade social que envolve a expressão direta de necessidades, sentimentos, opiniões e preferências, sem sentimentos de culpa, medo e ansiedade e sem que haja hostilidade para com o interlocutor.
            Uma pessoa assertiva se permite agir de acordo com seus próprios interesses, se afirmar perante os outros sem constrangimento, e expressar seus desejos e defender seus direitos, sem agredir ou desrespeitar os direitos dos outros. O comportamento assertivo permite que o indivíduo assuma com segurança seus sentimentos e posturas.
O principal parâmetro a ser avaliado em relação à assertividade é o grau de sofrimento experienciado pelo indivíduo - se existe ansiedade indevida ou excessiva ao expressar-se, acarretando em omissão de sentimentos e opiniões - e se a maneira de expressar-se é comumente hostil, gerando conflitos interpessoais.
            O comportamento assertivo pode ser considerado um “meio-termo” entre duas outras posturas: a passividade e a agressividade. 

O COMPORTAMENTO PASSIVO

A pessoa com tendências passivas apresenta falha ou déficit na expressão de suas necessidades ou preferências, sendo, por vezes, permissiva e omissa em suas opiniões. A pessoa com este comportamento acaba por violar seus próprios direitos, dando, assim, ao outro, a permissão de fazê-lo.
Com bastante freqüência, a pessoa passiva sente dificuldades em transformar situações incômodas em cenários mais confortáveis para si, pois evita comunicar seu desagrado ou expressar seu descontentamento. Pode inclusive prejudicar-se por evitar se beneficiar em situações em que poderia obter ajuda externa e apresentar melhores resultados. Casos típicos são as dificuldades em pedir favores ou, ao contrário, recusar pedidos de outrem.



Os ditos “passivos” podem parecer verdadeiros pacificadores, pois dificilmente contradizem os outros ou correm o risco de desapontar alguém. Costumam utilizar-se do lema “deixemos pra lá”, na tentativa de minimizar todos os conflitos. Entretanto, na base do comportamento assertivo encontra-se, com freqüência, o medo de punições, retaliações, rejeição ou simplesmente falta de repertório adequado (não saber como se expressar).

O COMPORTAMENTO AGRESSIVO

É aquele por meio do qual o indivíduo expressa suas opiniões e emoções de maneira hostil, impondo pontos de vistas ou sendo exigentes quanto às suas necessidades e preferências. A pessoa com este comportamento defende seus direitos, porém com freqüência o faz às custas dos direitos alheios. Ofensas, gritos, xingamentos podem estar presentes, podendo também haver déficit de repertório adequado.



A pessoa dita “agressiva” tende a ser intolerante à frustração – seja a de suas opiniões, seja de recusas ou então de ser exposta a críticas. “Estar certo” é muito importante, e por este motivo tendem a levar a ferro e fogo seus pontos de vista.
A dificuldade em tolerar opiniões e críticas está comumente ligada a insegurança intensa, gerando a necessidade de ser reafirmado através de outros.



COMPORTAMENTO PASSIVO
COMPORTAMENTO AGRESSIVO
- concorda em realizar atividades que não interessa/não pode fazer só porque lhe solicitaram
- recusa de forma hostil pedidos e favores;
- evita pedir favores legítimos ou dos quais necessita
- impõe ou manda outros realizarem tarefas em seu benefício exclusivo
- não manifesta descordo perante algo com o que não concorda
- xinga, humilha ou insulta quando não concorda com algo
- finge agrado mesmo em situações desagradáveis
- expressa de forma hostil seu desagrado; abandona a situação; insulta
- postura corporal retraída ou tensa
- postura corporal ameaçadora; agressões; gestos hostis (dedo levantado, braços cruzados)
- tom de voz muito baixo
- tom de voz elevado
- evita contato visual
- olhar hostil



POR QUE NÃO SOMOS ASSERTIVOS?

            É importante lembrar que ninguém consegue ser 100% assertivo em 100% das situações. Mais dia, menos dia, acabamos sendo passivos ou então agressivos. Pode ser mais fácil ou mais difícil ser assertivo dependendo da pessoa a quem o comportamento se dirige, momento em que ele ocorre ou a situação em que a comunicação acontece. Por isso, falamos em “graus de assertividade” – sendo o ideal que o consigamos ser assertivos com muitas pessoas e em variadas situações.
            A assertividade, assim como muitas de nossas habilidades, é um comportamento aprendido, e não inato. Esta aprendizagem se dá ao longo de nossa primeira infância, através das interações significativas que temos com as pessoas. Podemos aprender com nossos pais, professores, irmãos ou outras figuras de relativa importância, através da observação.
            Podemos ter sido expostos, ao longo de nossa história de vida, a situações de passividade, na qual o comportamento assertivo sofreu punições ou retaliações. Podemos ter sofrido reprimendas (físicas, verbais ou psicológicas) e tido más consequências ao expressarmos nossas emoções, e aprendemos, desta forma, que a assertividade é indesejável.
Da mesma maneira, podemos ter tido benefícios significativos ao permanecermos inassertivos, sendo omissos ou mesmo nos expressando de forma agressiva. Em situações futuras, portanto, iremos recorrer a tais referências ao exercermos nossa comunicação.
            Normas e valores culturais e familiares também podem ter influências. Na cultura japonesa, por exemplo, é comum que a conduta feminina inclua a subserviência e a aceitação. Em determinadas famílias, as crianças são incitadas a acatarem a opinião dos pais sem contestá-las.
            Esse histórico comportamental acaba por modelar tanto nosso repertório de respostas quanto uma série de crenças – de que poderemos ser abandonados caso expressemos algum desgosto, por exemplo.
           
COMO SERMOS ASSERTIVOS?

            Se a assertividade é uma habilidade aprendida, isso significa que podemos aprendê-la a qualquer momento. As dificuldade da fase adulta naturalmente tornarão a aprendizagem mais árdua e, por vezes, haverá a sensação de estarmos “indo contra nossa natureza”. Apesar disso, é importante lembrar que a assertividade é universalmente vantajosa e que, mesmo que cause algum desconforto a curto prazo, os benefícios de longo prazo são numerosos.
            A assertividade, enquanto uma ferramenta social, garante que os direitos de cada indivíduo sejam reassegurados: direito de seguir seus próprios valores e princípios sem ferir os de outrem, de sentir-se bem consigo mesmo sem ter de justificar-se o tempo inteiro, de errar, confundir-se e negar favores sem sentir-se culpado, de ter opiniões próprias e sentimentos legítimos, de mudar de opinião ou de pensar melhor antes de tomar decisões, sem sentir-se pressionado ou oprimido.



Resguardar suas opiniões e pontos de vista não significa, entretanto, que eles estejam certos. Assim como uma pessoa pode expressar suas emoções e opiniões, ela também deve reassegurar ao outro o direito de manter suas próprias convicções - o primeiro direito universal a ser observado é o direito de discordar.
O comportamento assertivos pode ser “dividido” em vários passos, que envolvem desde a análise geral do contexto até mesmo a expressão propriamente dita. Algumas diretrizes básicas podem ser úteis:

  1. Analise a situação como um todo. Entenda exatamente o que está acontecendo e quem a situação envolve.
  2. Se este for o caso, escute com atenção o que o outro diz. Deixe a pessoa saber que você a ouviu, demonstrando empatia.
  3. Investigue seus sentimentos, seus pensamentos e desejos.
  4. Veja o que realmente gostaria de falar e de que forma o faria. Questione-se: a mensagem será recebida da maneira que você tenciona? A forma está adequada? Palavras hostis estão presentes? Qual a maneira mais objetiva e delicada de se expor a idéia?
  5. Avalie a intenção de sua fala. Ela tem um objetivo claro? O que você pretende com isso?
  6. Pense nas conseqüências do que dirá e as assuma, evitando, entretanto, assumir a responsabilidade total pelos sentimentos alheios.
  7. Pense nos gestos e tons de voz ideais a serem usados. Eles são coerentes com seus sentimentos?
  8. Procure ser específico, descrevendo o comportamento ou a situação, ao invés de julgar a pessoa.
  9. Observe a reação do outro, coloque-se no lugar dele e pergunte-se: isso tem relação com sua fala ou com a própria personalidade do outro?
  10. Se sentir-se mal em dizer o que irá dizer, expresse sem desconforto. Isso desperta empatia da parte alheia.
  11. Se sentir ansiedade, pergunte-se: o que você receia? Agüente a ansiedade como um teste de realidade – muitas vezes, sua previsão negativa do que irá acontecer pode não se confirmar.
Para exercer a assertividade com eficiência, exercite a empatia: coloque-se no lugar do outro e imagine como gostaria que tais conteúdos fossem expressos. Costuma funcionar.

Fontes de consulta – para ler mais:

“Bem, até agora ninguém havia reclamado...” Judith Stewart. Makron Books, 1996.

“Assert yourself” M.D. Galassi e J.P. Galassi. Human Sciences Press – adaptação da tradução de Catarina Dias.

“Falo? Ou não falo?” Fátima Cristina Conte e Maria Zilah Brandão. Editora Mecenas, 2003.

3 comentários:

Professor Jorge disse...

Parabéns pela exposição feita acima. Perfeito.
Abraços

Bruna Luiza disse...

olá, sou estudante de psicologia na Bahia e gostei muito deste post seu, vou acompanhar seu blog e indicar para minhas colegas.

abç.

Ana Paula Varella Ferreira disse...

Obrigada Bruna!